Archive for agosto \26\UTC 2008

h1

hu is the new leader of china*

agosto 26, 2008

Sábado foi dia de mudança. Enquanto trabalhava pra deixar o novo lar em ordem, Elisa se encantava com as coisas que encontrava. Entre elas, descobriu uma mina de ouro: minha antiga caixa de Barbies, cheia de bonecas loiras e um único representante de seu ex-namorado/marido entre todas elas.

Ela, andando atrás de mim, perguntou:

– Mamãe, qual o nome dele?

Eu olhei para ver do que se tratava e voltei aos alfazeres, enquanto respondia:

– Ken.
– Ele, mãe. Qual o nome dele?
– Ken!
– Esse aqui, mãe, olha pra mim: q-u-a-l-é-o-n-o-m-e d-e-l-e?

Ao entender que eu já tinha respondido e que o nome dele era ‘Quem’ mesmo, a japa-loira me condenou com um olhar, de como quem diz: onde já se viu botar esse nome em boneco!

*

h1

bocaberta

agosto 19, 2008

Ao ler o hilário post da cla, me lembrei de uma história que aconteceu comigo. Nos últimos semestres da faculdade, uma amiga começou a namorar um cara – hoje, seu marido – e nos apresentou. Achei ele bem legal e tal, mas falei pouco na ocasião. Os dois faziam Famecos, apesar de eu nunca ter cruzado com ele pelos corredores antes daquilo. Aí, comecei a encontrá-lo direto. Sempre que passava, eu dava um ‘oi’ sorridente, às vezes parava pra cumprimentar, dava beijinho, sempre super querida, mas ele nunca era muito receptivo. Achava estranho, porque a impressão que tive dele quando o conheci é que ele era super simpático. Passei a achar, então, que ele era um cara fechadão. Seguido eu comentava com a minha amiga: ‘vi o fulano hoje’ e me lembro que na maioria das vezes ela achava esquisito eu encontrá-lo tanto. E assim passaram-se meses.

Daí que fui a uma festa encontrar com eles. Quando cheguei, avistei o casal e a ficha caiu. Óbvio que ele não era o cara que eu cumprimentava todos os dias na faculdade! E óbvio que o cara que eu cumprimentava todos os dias na faculdade me achava uma louca que queria coisinhas com ele. Depois disso, quando passei pelo guri errado de novo, ‘fingi’ que não o conhecia… e, acreditem, me senti mal.

*************

Na mesma linha (não sei se já contei aqui, mas acho que já), no último semestre de faculdade eu tinha os melhores colegas do mundo, os aldeídos, que se formaram a partir do grupo do projeto experimental em cinema (nossa aula sempre terminava em botecos). Foi nessa cadeira também que descobri que um dos colegas mais legais, um aldeído do meu grupo de trabalho, se chamava, na verdade, Daniel, e não Ricardinho, como eu me referia a ele desde três semestres antes. No fim, ele virou Daniel Ricardinho pros outros. E seguiu Ricardinho pra mim, pois nunca consegui chamá-lo de Daniel. :)

h1

diálogos

agosto 12, 2008

– Márcio, o José é o pai do Jesus?
– Não, o pai de Jesus é Deus.
– Mas José não é o pai dele?
– Não, o pai dele é Deus.
– E o José é o quê, então?
– José é o padrasto.
– E será que Deus é solteiro??